Já disponível

Pergunte à Riot

Faça uma pergunta sobre League ou a Riot e tentaremos respondê-la. As respostas vão ao ar toda terça-feira pela tarde.

O que você quer saber?

Algo deu errado. Opa, tente perguntar de novo.

Obrigado por fazer uma pergunta!

Próximo artigo

Kai’Sa

Como o conceito “Atiradora do Vazio” virou a Filha do Vazio.

Por DyQuill

Quando seu mundo foi reduzido a caça vs. caçador, Kai’Sa se transformou em uma sobrevivente. Apesar dos vários anos passados na fronteira do Vazio, ela continua incorruptível e intocada pelo inabitável vácuo roxo. No entanto, não importa quantas criaturas aterrorizantes ela derrote, ela vive em uma constante luta pela vida.

A Filha do Vazio tem uma segunda pele simbiótica, uma armadura parasita que virou biológica e provavelmente a devoraria se Kai’Sa não a alimentasse tão bem. Ainda assombrada por infinitos horrores, ela aprendeu apenas observando e desenvolveu seus próprios hábitos alimentares altamente eficazes. Tanto como personagem quanto como Campeã, Kai’Sa desempenha um papel único: um alvo vulnerável que também é um predador letal.

A CAÇA VIROU O CAÇADOR

“Nunca achei que isso funcionaria”, disse Jeevun “Riot Jag” Sidhu. “Um assassino atirador é um termo que soa pesado. Estava esperando alguém me dizer ‘só para, por favor’”.

O objetivo era criar uma atiradora agressiva, alguém que lutasse cara a cara sem medo. O inusitado seria sua capacidade de forçar confrontos e entrar em lutas quando elas parecessem apropriadas – ou seja, uma Campeã de “alta autonomia”, como se diz no design de jogos.

Kai’Sa precisava de um kit que desse a ela não só opções, mas também escolhas. “A marca de um bom atirador é a seleção inteligente de alvos”, disse Riot Jag. Normalmente, atiradores fazem isso a uma distância segura, mirando nos alvos e atacando de longe, mas Kai’Sa demonstra ser mais do que um mero bot “condutor” de inimigos que fica sempre fora da bagunça.

Estudo temático para a “Atiradora do Vazio” ainda sem nome

Com seu ult, Kai’Sa pode se transportar até qualquer ponto durante um confronto de equipe, fazendo jogadas que outros atiradores jamais sonhariam. Seu Maokai mandou um Avanço Retorcido na retaguarda inimiga? Kai’Sa pode dar seguimento ao ataque, mergulhando fundo no confronto com seu colega de equipe e aniquilando qualquer inimigo que tenha tido o azar de cair no Controle de Grupo. Porém… há um preço a se pagar por toda essa mobilidade.

“Ela é a primeira Campeã em tipo… cinco anos sem nenhuma capacidade própria de Controle de Grupo”, disse Riot Jag. “Ela só vem para causar dano”. Além disso, embora Kai’Sa tenha vários métodos para entrar em uma luta, ela tem zero chances de sair dela.

No fim, foi isso que amenizou o peso do termo “assassino atirador”. Em vez de derrubar os inimigos na força bruta e no dano explosivo, Kai’Sa tem que fazer manobras melhores e pensar mais rápido do que eles por meio de agilidade e visão antecipada. 

UMA NOVA VISÃO DO VAZIO

Apesar de sabermos que o nosso próximo atirador (no caso, atiradora) teria foco na ofensa pesada, ainda não estava certo que seria um personagem vindo do Vazio.

“Por um tempo, exploramos um sugador de essência vital zaunita”, disse Willem “Riot Tokkelossie” van der Schyf.  “Mas tudo em que pensávamos parecia superpredatório, então encaixar a ideia em um predador de verdade fazia mais sentido. O Vazio continuava surgindo nas discussões como um bom modo de explicar esse instinto animal”.

Exploração do conceito do Campeão: uma ex-purificadora, uma “vampira” e uma humana tomada por um vírus do Vazio.

Enquanto a equipe explorava possíveis fontes para a natureza predatória da Campeã, eles se depararam com um conceito que complementava o estilo agressivo que eles queriam: um “propulsor a jato” do Vazio. Além de ter uma personalidade visual (ou silhueta) bem marcante, ele dava bem a ideia de velocidade e poder.

A ideia do propulsor ajudou a esclarecer a visão única do Vazio incorporada por uma Campeã que era mais ágil do que brutal.

“Criamos uma silhueta em vetor para ela. O formato do seu corpo é meio que uma flecha apontando para a frente”, disse Riot Tokkelossie. “Tudo nela grita ‘mobilidade’”.

Design refinado do “motor”

Depois veio a questão: com o que ela atiraria?

A equipe explorou armas que saíam de suas mãos, entre elas um fuzil do Vazio feito da mesma biomassa que seu traje, mas o fuzil era grande demais e não combinava com os movimentos ligeiros e o design visual simétrico de Kai’Sa. Além disso, um fuzil não era exatamente uma abordagem nova para um atirador. 

“Não queríamos dar a ela literalmente uma arma”, disse Riot Tokkelossie. “Era uma oportunidade de fazer algo diferente dos outros atiradores”. No fim, a equipe decidiu criar armas cristalinas do Vazio, feitas da energia que fluía da carapaça dos membros inferiores de Kai’Sa.

É cristal 100% autêntico, puro e não adulterado do Vazio.

A equipe também queria fazer algo diferente com o quão “Vazio” era o design da Kai’Sa.

“Sabíamos que ela seria humanoide e não uma monstra”, disse Michael “CoolRadius” McCarthy. “Tem monstros que nascem no Vazio, tem gente cujos corpos e mentes foram corrompidos pelo Vazio… mas, nesse caso, queríamos criar alguém que fosse um sobrevivente dele”.

Uma visão humana do Vazio, contada da perspectiva de uma sobrevivente, tornou-se o pilar central da personagem de Kai’Sa – assim como o trauma particular de ser abandonada e forçada a lutar por sua vida.

Explorando o fuzil do Vazio

“Eu pesquisei muito sobre a mentalidade de pessoas sobreviventes e pessoas que lidaram com grandes traumas”, disse CoolRadius. “O trauma pode transformar as pessoas em uma mera sombra do que elas foram… mas aquelas que conseguiram sobreviver a ele não deixaram que ele apagasse completamente quem elas eram. Elas se agarraram a alguma coisa dentro delas”.

Kai’Sa começou como vítima, praticamente subjugada pelo Vazio, mas, ao se recusar a ceder toda a sua humanidade, ela conseguiu resistir e se adaptar. Ela transformou essa resistência em sua fonte de poder, convertendo criaturas perigosas em uma armadura de proteção e encontrando equilíbrio ao aceitar todas as partes de si mesma. Ainda que ela incorpore um monstro, ela mantém sua humanidade.

“Se ela tivesse o traje do Vazio e a máscara como características permanentes, daria a entender que ela perdeu a noção de sua identidade”, disse Riot Tokkelossie. “Queríamos que fosse escolha dela ceder ao poder total do traje ou deixar ao menos uma parte sua intacta”. 

SONS MEIO ROXOS

O lugar em que essa escolha fica mais óbvia é no capacete de Kai’Sa. Feito da mesma tecnologia dos fones controláveis da DJ Sona, o capacete de Kai’Sa – que ativa automaticamente quando ela avança – também pode ser ativado ou desativado a qualquer hora. E quando ela veste sua máscara, também veste seu espírito predador.

00:00

Sem a máscara, com a máscara.

“É como se a gente estivesse dentro da pele dela”, disse Brandon “Riot Sound Bear” Reader. Por essa pele ser uma criatura viva do Vazio, a voz de Kai’Sa remete bem mais ao Vazio quando ela está mascarada, tendo uma qualidade sônica bem parecida com a de outros Campeões de nome apostrofado.

“O áudio dela é, tipo, roxo e redondo”, disse Riot Sound Bear Isso significa que os sons tendem a ser mais sombrios, mais profundos e de baixa frequência. Para comparação, um som rosa ficaria bem mais alto na escala de profundidade sonora.

“É uma coisa meio laser, mas grudenta e pegajosa, não estática e cortante. É um negócio gutural”, acrescentou ele.

Usar sons parecidos para Campeões da mesma região não só ajuda na coesão temática, como também cria uma base que pode ser desenvolvida, remixada e transformada. “Na verdade, eu peguei o movimento do olho do Vel’Koz durante a animação de retorno e o adaptei”, disse Riot Sound Bear. “Meio que o fundi ao movimento geral da Kai’Sa”.

00:00

Antes, uma rotação ocular… agora, o movimento da Kai’Sa.

Até encontrarmos a relação única da Kai’Sa com o Vazio, experimentamos bastante, jogamos com vários elementos e tivemos muitos acidentes.

“Em algum momento, meu mindinho apertou sem querer uma tecla de registro de baixa frequência e isso ativou um plugin que fez um som de baixo muito maneiro”, disse Riot Sound Bear.  “Ele acabou virando o quinto acerto da passiva de Kai’Sa”.

00:00

O acidente e o som final.

A combinação de todos esses sons pinta um retrato sonoro de uma predadora do Vazio – e da humana escondida nela.

“Essa é a impressão que eu quero deixar nos jogadores”, disse Riot Sound Bear. “Tipo, tenho que enfrentar o Vazio, essas são minhas armas, agora como irei sobreviver?”

A resposta depende de você.

Próximo artigo

/dev: Instrumentos incomuns e novas partituras